8 remédios caseiros para diverticulite

 

Alguns remédios caseiros que ajudam a prevenir e aliviar os sintomas da diverticulite são chá de funcho, chá verde, suco verde com gengibre, suco de aloe vera e chá de carqueja.

Esses remédios naturais melhoram a digestão, combatem dores e inflamações, pois são ricos em compostos fenólicos com propriedades antioxidantes, analgésicas e anti-inflamatórias, auxiliando na recuperação do intestino e prevenindo crises de diverticulite.

A diverticulite é a inflamação e/ou infecção dos divertículos, que são pequenas bolsas presentes nas paredes do intestino, que causam sintomas como períodos de diarreia e prisão de ventre alternados, dor na barriga, náuseas e perda de apetite. Saiba mais sobre a diverticulite.

Imagem ilustrativa número 3

Alguns remédios caseiros para diverticulite são:

1. Chá de funcho

O chá de erva-doce é uma boa opção de remédio caseiro para diverticulite, pois contém anetol, eugenol e linalol, compostos bioativos com ação analgésica, digestiva e anti-inflamatória, auxiliando no alívio de sintomas como má digestão e dores. Confira todos os benefícios do chá de erva-doce.

Ingredientes:

  • 1 colher (de café) de sementes de erva-doce secas;
  • 1 xícara (de chá) de água.

Método de preparação:

Amasse ou esmague as sementes de erva-doce. Em uma panela, coloque a água e deixe ferver. Após desligar o fogo, acrescente as sementes de funcho, tampe a panela e deixe descansar por 10 minutos. Coe o chá e beba em seguida. Você pode consumir até 3 xícaras (de chá) de chá de erva-doce por dia, por até 2 semanas seguidas.

O chá de erva-doce não deve ser usado por pessoas alérgicas ao anis ou ao composto anetol. Da mesma forma, este chá não deve ser usado por mulheres grávidas ou lactantes e por crianças menores de 12 anos.

Além disso, este chá deve ser evitado por mulheres com câncer de mama ou pessoas que usam medicamentos anticoagulantes.

2. Chá verde

Por conter catequinas, que são compostos fenólicos com ação anti-inflamatória e antioxidante, o chá verde fortalece as bactérias benéficas do intestino, auxiliando no tratamento da diverticulite.

Ingredientes:

  • 1 xícara de água;
  • 1 colher de chá verde.

Método de preparação:

Em uma panela ou chaleira, ferva a água. Após desligar o fogo, acrescente as folhas de chá verde, tampe a panela ou chaleira e deixe descansar por 10 minutos. Coe e beba frio ou morno. Recomenda-se beber no máximo 4 xícaras de chá verde por dia, entre as refeições.

O chá verde não deve ser consumido por crianças, gestantes ou lactantes, pessoas com insônia, hipertireoidismo, gastrite ou úlcera gástrica. Além disso, esse chá deve ser evitado no final do dia ou em quantidades superiores às recomendadas.

Além disso, o chá verde pode alterar a ação de anticoagulantes, remédios para hipertensão e colesterol alto e, por isso, nesses casos, o consumo do chá verde só deve ser feito após consulta médica.

3. Suco de aloe vera

O suco de aloe vera, também conhecido como aloe vera, contém polifenóis com propriedades anti-inflamatórias, tornando-se uma boa opção para ajudar no tratamento da diverticulite. Saiba mais sobre o suco de aloe vera.

Para preparar o suco de aloe vera, você deve retirar as folhas da planta, lavar e secar bem, e cortar os espinhos. Depois, corte a base da folha e deixe a planta descansar na vertical para que o látex escorra.

Em seguida, corte as laterais da folha ao longo do comprimento, deite a folha e levante cuidadosamente a casca de um lado com um objeto arredondado. Retire o gel da planta com uma colher e descarte as partes verdes ou amarelas presentes no gel. Por fim, é só colocar 100 g de gel e 1 litro de água no liquidificador, bater bem e beber em seguida.

Este suco não é indicado para crianças, mulheres grávidas e lactantes, pessoas com inflamação uterina ou ovariana, hemorróidas, fissuras anais, pedras na bexiga, varizes, insuficiência renal, apendicite, prostatite, cistite, disenteria ou nefrite.

4. Chá de camomila e valeriana

A camomila e a valeriana possuem ação antiinflamatória, relaxante, cicatrizante e antiespasmódica, e por isso auxiliam no tratamento da diverticulite, reduzindo a produção de substâncias inflamatórias e aliviando a dor.

Ingredientes:

  • 1 colher (sopa) de folhas secas de camomila;
  • 1 colher de sopa de raiz de valeriana seca;
  • ½ litro de água.

Método de preparação:

Em uma panela, ferva a água. Após desligar o fogo, coloque a camomila e a valeriana na panela, tampe e deixe descansar por aproximadamente 10 minutos. Beba no máximo 2 xícaras (de chá) deste chá por dia.

O chá de camomila com valeriana não é recomendado para mulheres grávidas ou lactantes, para pessoas com alergia à camomila e plantas da mesma família da camomila, como margaridas, ambrósia e crisântemos. Este chá também não é adequado para bebês com menos de 6 meses.

Além disso, pessoas que fazem uso de anticoagulantes, sedativos, analgésicos, relaxantes musculares ou anticonvulsivantes, por exemplo, devem consultar um médico antes de tomar este chá.

5. Suco verde com gengibre

O suco verde ajuda a aumentar o consumo de fibras ao longo do dia, melhorando o trânsito intestinal e auxiliando no tratamento da diverticulite.

Já o gengibre contém compostos bioativos, como cineol e borneal, que atuam como potentes anti-inflamatórios e analgésicos, aliviando dores e inflamações no intestino.

Ingredientes:

  • 1 folha de couve;
  • 1 colher (sobremesa) de folhas de hortelã fresca;
  • suco de 1 limão;
  • 1/2 maçã com casca;
  • 1/2 pepino;
  • 1 colher (de café) de gengibre fresco ralado;
  • 2 copos de água filtrada ou fervida;
  • Cubos de gelo a gosto.

Método de preparação:

Lave bem a couve e as folhas de hortelã, a maçã e o pepino. Corte a maçã e o pepino em cubos e coloque no liquidificador. Coloque os demais ingredientes no liquidificador e bata por 3 minutos ou até a mistura ficar bem homogênea. Coe e beba em seguida.

Por conter gengibre, esse suco não é indicado para quem tem cálculos biliares. Assim como também é contraindicado para pessoas com distúrbios hemorrágicos ou que fazem uso de medicamentos anticoagulantes.

Pessoas em uso de medicamentos para controle de hipertensão e diabetes e gestantes só devem consumir o gengibre sob orientação de um médico.

6. Chá de cúrcuma

O chá de cúrcuma pode ajudar a tratar a diverticulite porque é rico em curcumina, um composto bioativo que atua diminuindo a inflamação e aliviando a dor. Veja todos os benefícios para a saúde da cúrcuma.

Ingredientes:

  • 1 colher de chá de açafrão em pó;
  • 150 ml de água.

Método de preparação:

Ferva a água em uma panela ou chaleira. Retire a panela do fogo, acrescente o açafrão em pó, mexendo bem, tampe e deixe descansar por 10 minutos. Beba até 3 xícaras (de chá) deste chá por dia, entre as refeições.

Este chá é contraindicado para pessoas que fazem uso de medicamentos anticoagulantes ou que apresentam obstrução das vias biliares devido à presença de cálculos biliares.

Além disso, durante a gravidez ou amamentação, o açafrão deve ser usado somente sob a orientação de um médico.

7. Chá de Carqueja

A carqueja é rica em rutina, luteolina e apigenina, que são flavonoides com ação anti-inflamatória que reduzem a produção de substâncias inflamatórias, sendo por isso muito úteis para complementar o tratamento da diverticulite.

Ingredientes:

  • 2 colheres de sopa de talos de tojo;
  • 1 litro de água.

Método de preparação:

Em uma panela, ferva a água e, após desligar o fogo, coloque os talos do tojo. Tampe a panela e deixe descansar por 10 minutos. Coe e beba até 3 xícaras por dia.

O chá de carqueja não é indicado para crianças nem para gestantes ou lactantes. Além disso, pessoas que fazem uso de medicamentos para controle de diabetes ou hipertensão só devem tomar este chá sob orientação de um médico.

8. Chá de unha de gato

O chá de Unha de Gato ajuda a tratar inflamações no intestino, como a diverticulite, além de fortalecer o sistema imunológico e reparar danos às células intestinais.

Esses benefícios são possíveis porque a unha de gato contém grandes quantidades de polifenóis, flavonoides, que são compostos antioxidantes, imunomoduladores e anti-inflamatórios.

Ingredientes:

  • 20 g de casca e raiz de unha de gato;
  • 1 litro de água.

Método de preparação:

Coloque a água e a unha-de-gato em uma panela e leve ao fogo por 10 minutos. Desligue o fogo e deixe a mistura descansar por mais 10 minutos. Coe e beba a cada 8 horas entre as refeições.

Este chá não é recomendado para crianças, mulheres grávidas ou lactantes, ou pessoas alérgicas a esta planta medicinal.

O chá de unha de gato também não deve ser consumido por pessoas com doenças como lúpus eritematoso, esclerose múltipla, doença renal ou leucemia, RN 24 Horas explica que com problemas de coagulação sanguínea ou que estejam fazendo uso de anticoagulantes.

Confira com a nutricionista Tatiana Zanin outras dicas para tratar a diverticulite:

imagem do youtube - Dieta e tratamento para diverticulite

const mainFn = () => { var options = {"language":"pt","isMobile":false}; main.init(options); window.setTimeout(function () { if (typeof amazonAds !== "undefined" && !amazonAds.loadedAds && !!googletag) { googletag.cmd.push(function() { googletag.pubads().refresh(); }); } }, 5000); var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "2", c2: "21145335" }); var _comscore = _comscore || []; _comscore.push({ c1: "8", c2: "21145335" ,c3: "1111" }); (function() { var s = document.createElement("script"), el = document.getElementsByTagName("script")[0]; s.async = true; s.src = (document.location.protocol == "https:" ? "https://sb" : "http://b") + ".scorecardresearch.com/beacon.js"; el.parentNode.insertBefore(s, el); } )(); !function(f,b,e,v,n,t,s) {if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod? n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)}; if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version="2.0"; n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0; t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0]; s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,"script", "https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js"); fbq("init", "162861800730320"); fbq("track", "PageView"); var propertyId = "UA-10615049-1",gtmId = "GTM-KBJZXMC",layout = "harmony",language = "pt",league = 7; (function (i, s, o, g, r, a, m) { i["GoogleAnalyticsObject"] = r; i[r] = i[r] || function () { (i[r].q = i[r].q || []).push(arguments) }, i[r].l = 1 * new Date(); a = s.createElement(o), m = s.getElementsByTagName(o)[0]; a.async = 1; a.src = g; m.parentNode.insertBefore(a, m) })(window, document, "script", "//www.google-analytics.com/analytics.js", "ga", { "useAmpClientId": true }); ga("create", propertyId, "auto", {"siteSpeedSampleRate": 10}); ga("require", gtmId); if (layout) { ga("set", "dimension2", layout); } if (league) { ga("set", "dimension5", league); } ga("set", "dimension18", language); ga("send", "pageview"); var tag = "GTM-N8S2MQM",dataLayer = "crossDataLayer"; (function(w,d,s,l,i){ w[l]=w[l]||[];w[l].push({"gtm.start": new Date().getTime(),event:"gtm.js"});var f=d.getElementsByTagName(s)[0], j=d.createElement(s),dl=l!="dataLayer"?"&l="+l:"";j.async=true;j.src= "https://www.googletagmanager.com/gtm.js?id="+i+dl;f.parentNode.insertBefore(j,f); })(window,document,"script",dataLayer, tag); main.addDataLayer(dataLayer); var tag = "GTM-P8PXWDX",dataLayer = "tsDataLayer"; (function(w,d,s,l,i){ w[l]=w[l]||[];w[l].push({"gtm.start": new Date().getTime(),event:"gtm.js"});var f=d.getElementsByTagName(s)[0], j=d.createElement(s),dl=l!="dataLayer"?"&l="+l:"";j.async=true;j.src= "https://www.googletagmanager.com/gtm.js?id="+i+dl;f.parentNode.insertBefore(j,f); })(window,document,"script",dataLayer, tag); main.addDataLayer(dataLayer); var backofficeUrl = "https://www.tuasaude.com/b/"; backoffice.init(backofficeUrl); var options = {"enable":true,"blocking":false,"language":"pt","privacyPage":"https:\/\/www.tuasaude.com\/politica-de-privacidade","googleEvents":true}; consentBar.init(options); var options = {"type":"article","url":"remedio-caseiro-para-diverticulite","id":30717,"theme":"medicina-alternativa","specialty":{"main":1,"type":"face-to-face","id":47,"descricao":"Nutrição Geral","name":"Nutricão","medic":"Nutricionista","specialist_slug":"nutricionista","medicPlural":"Nutricionistas"}}; main.setPage(options); if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_ts_300x600_artigo"); } ); } if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_ts_mrec_artigo"); } ); } if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_ts_mrec_rodape_artigo"); } ); } if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_ts_sticky_footer_desktop"); } ); } if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_tuasaude_br_article_body_1"); } ); } if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_tuasaude_br_article_body_2"); } ); } if (!amazonAds) { googleAds.onLoad( function() { googletag.display("divGptAd_tuasaude_br_article_body_3"); } ); } } if (typeof main !== 'undefined') { mainFn(); } else { document.querySelector('#mainSiteScript').onload = mainFn; }

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *