Saiba mais sobre a Neoplasia Maligna

4 minutos para ler

O pâncreas é uma glândula localizada atrás do estômago que é responsável por produzir insulina e absorver enzimas que ajudam na digestão, além de secretar hormônios (insulina e glucagon) que ajudam a controlar o açúcar no sangue.

Várias neoplasias podem afetar o pâncreas. O tipo mais comum de câncer nesse órgão começa nas células que revestem os dutos que transportam as enzimas digestivas para fora do pâncreas (adenocarcinoma ductal pancreático). Carcinomas neuroendócrinos são raros e geralmente são detectados na fase metastática, quando a doença começa a se espalhar por todo o corpo.

Aumento da incidência de câncer de pâncreas

Nos Estados Unidos, em 2021, foram diagnosticados mais de 60.000 novos casos e registradas mais de 48.000 mortes. Dados de 2020 do Instituto Nacional do Câncer (INCA) indicam 11.893 óbitos no Brasil. Por aqui, o câncer de pâncreas representa 1% de todos os casos de câncer diagnosticados e 5% de todas as mortes são devidas à doença. O diagnóstico ocorre principalmente após os 40 anos de idade, sendo mais frequente entre 80 e 85 anos.

Quais fatores podem levar ao câncer de pâncreas?

Algumas síndromes de predisposição genética aumentam o risco de desenvolver tumores no pâncreas. Dentre eles: câncer hereditário de mama e ovário (associado aos genes BRCA1, BRCA2 e PALB2); síndrome de Peutz-Jeghers, que afeta o trato gastrointestinal e produz lesões epidérmicas pigmentadas; e síndrome da pancreatite hereditária.

Fatores não hereditários incluem tabagismo, obesidade, diabetes tipo 2 e pancreatite crônica não hereditária. Também nesta lista estão as mutações genéticas adquiridas que resultam da exposição a produtos químicos cancerígenos, como os encontrados na fumaça do tabaco. Há também casos de exposição ocupacional, em que o paciente teve contato com produtos químicos utilizados nas indústrias de limpeza e metalurgia, que são oncogênicos.

Os primeiros sintomas do câncer de pâncreas

Em geral, os tumores pancreáticos são agressivos e produzem sintomas que podem ser atribuídos a outras doenças, o que contribui para o diagnóstico tardio. É comum que o tumor seja diagnosticado em estágio avançado e quando as células cancerígenas já se espalharam para outros órgãos (metástase). Isso, infelizmente, reduz muito as chances de cura.

Aqui estão alguns sinais que podem estar relacionados a neoplasias malignas do pâncreas:

  • Pele e olhos (a parte branca, que é a esclera) amarelados;
  • Formação de coágulos em algumas veias das pernas (trombose venosa profunda);
  • Dor abdominal que irradia para as costas;
  • Fadiga;
  • Fezes de cor clara;
  • Novo diagnóstico de diabetes ou diabetes descompensado;
  • Perda de apetite e peso;
  • Urina de cor escura.

Opções de tratamento para câncer de pâncreas

As opções de tratamento são escolhidas com base na extensão do tumor e podem incluir cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou uma combinação destes. A cirurgia costuma ser a melhor opção de tratamento, pois costuma representar uma chance real de cura. Infelizmente, esse objetivo nem sempre é alcançado. Isso porque, mesmo que todo o tumor seja eliminado, pode haver células cancerígenas remanescentes que, com o tempo, fazem o câncer reaparecer ou, em casos mais graves, se espalhar pelo corpo.

Quando as lesões são muito extensas a ponto de comprometer todo o órgão, é possível realizar a remoção cirúrgica (pancreatectomia total). Após o procedimento, porém, o paciente precisa tomar enzimas pancreáticas para o resto da vida, pois elas não serão mais produzidas naturalmente. Além disso, as pessoas que tiveram uma pancreatectomia total correm maior risco de desenvolver diabetes e podem se tornar dependentes de insulina.

Por ser um tipo de câncer bastante agressivo e ser descoberto tardiamente em mais de 80% dos casos, a sobrevida média depende da gravidade da doença e costuma ser de um a cinco anos após o diagnóstico. Confira a série Entendendo o Câncer para ler todos os textos que produzimos sobre as formas mais comuns da doença, conheça o tema e descubra o que é verdadeiro ou falso ao falar sobre esse assunto tão importante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *